Pode parecer pouco intuitiva a relação entre rastreamento veicular e economia (no sentido de ciência econômica). No entanto, isto é mais fácil de se verificar do que parece.
A Economia, também conhecida como ciência que estuda a escassez de recursos, tem uma máxima ensinada já no primeiro dia do curso: “as necessidades são muitas e os recursos são escassos”, mas o que isso significa? Significa que, pelo menos para a imensa maioria da população, os recursos financeiros são limitados e qualquer capital imobilizado merece atenção.
Além disso, é interessante relembrar que o Brasil (além de ser um dos países mais violentos do mundo) sofre com uma crise fiscal intensa que vem afetando os orçamentos de todas as áreas há alguns anos, debilitando áreas como a segurança pública e precarizando o combate ao crime em todas as regiões do país.
É justamente neste ponto que se justifica a utilização de equipamentos de monitoramento veicular. A proteção de um bem por via de rastreamento envolve muito mais do que apenas a segurança para o seu dono. Uma vez que o veículo é rastreado, toda e qualquer atividade relacionada à ele será armazenada, sendo de interesse do dono, da empresa que fornece o serviço e até mesmo público.
Não, você não leu errado, o interesse se torna “público” quando a informação de rastreamento em caso de roubo passa a ser utilizada pelas autoridades para verificar os rastros deixados por bandidos e também pelas gerenciadoras de risco na hora de elaborar relatórios cada vez mais sofisticados e que proporcionam ao seus clientes aquilo que todos estamos à procura: eficiência.
Agora que chegamos ao ponto comum entre e economia e rastreamento, vamos avançar para um ponto um pouco mais sensível, dinheiro. Não é a toa que o dinheiro é um objeto estudado por várias áreas do conhecimento: economia, sociologia, antropologia e, mais recentemente, computação. Desde a invenção do papel moeda, as pessoas correm atrás dele constantemente, pois além de garantir os bens essenciais e conforto, ele auxilia na organização das relações sociais e de trabalho que vigoram na sociedade em que vivemos, fornecendo parâmetros cada vez mais complexos e inevitáveis, precificando e quantificando tudo em nossa volta, inclusive nosso tempo livre e lazer. E, apesar da vida não se basear apenas no dinheiro, é muito importante que trabalhemos para manter uma boa saúde financeira e para isso, o zelo pelo patrimônio é essencial.
Todos sabemos que a construção de um patrimônio não é uma tarefa fácil e, que por ironia do destino, o que se demora anos para construir pode ser facilmente perdido em questão de horas.
A convite da SIA escrevi este pequeno artigo na tentativa de expor meus pensamentos sobre o tema e trazer um pouco da ciência econômica, para mostrar que a eficiência é o ponto fundamental de qualquer decisão bem tomada. E para aqueles que se expõem diariamente aos riscos de uma sociedade tão tristemente assolada pela violência como a brasileira, nada mais sensato e eficiente do que aproveitar ao máximo as informações que a gerência de risco pode fornecer para qualquer um que preze por bons resultados na preservação de seu patrimônio.

Postado por João Paulo Carniato Genta

13 de setembro de 2019

Postado por João Paulo Carniato Genta
13 de setembro de 2019

  • 1
  • 2